Últimas Tendências em Equipamento Criogénico

As tecnologias criogénicas são importantes para o setor do fornecimento e distribuição de gases industriais, e têm sido desde que surgiram as primeiras cadeias de distribuição de gases para a indústria. O processamento e transporte de Gás Natural Liquefeito (GNL) tem-se tornado progressivamente mais fácil e eficiente ao longo do tempo, e a procura tem impulsionado o desenvolvimento de novos equipamentos criogénicos neste sentido.

O ano de 2015 foi de crescimento acelerado em termos do alcance e eficiência de equipamentos criogénicos aplicados à indústria. Vejamos uma síntese das principais tendências neste setor.

Válvulas Criogénicas

As válvulas criogénicas são utilizadas no armazenamento, processamento e distribuição de GNL. Dado o rápido crescimento na utilização de GNL nos últimos anos, as empresas estão a sentir um aumento na procura deste tipo de equipamentos. Existe igualmente procura para válvulas compactas para utilização em camiões de transporte de GNL, postos de abastecimento de combustível ou OEM (“fabricantes originais de equipamentos”).

Tanques Criogénicos

O aumento da procura de GNL levou também a uma maior utilização de tanques criogénicos. Os custos de distribuição constituem cerca de 50% do total de custos da indústria de fornecimento de gases, pelo que os equipamentos devem reduzir o CMTF_REFRdesperdício e também observar critérios ambientais, em termos de emissões poluentes. Em Portugal, a Linde Engineering fornece diversos tipos de ‘criotanques’, não só para GNL mas também para oxigénio líquido, dióxido de carbono líquido, hidrogénio líquido, etc., cuja capacidade pode oscilar entre os 3000 e os 450 000 litros.

Bombas Criogénicas

O consumo de GNL levou igualmente a uma maior procura de bombas criogénicas. Estes equipamentos consistem em bombas de vácuo que conservam gases ao condensá-los contra uma superfície muito fria. Tal como acontece com os tanques, as necessidades crescentes em termos de eficiência e performance levaram a um desenvolvimento acelerado das capacidades das bombas criogénicas, que se tornam não só mais eficazes, mas também mais compactas.