Nova Tecnologia Criogénica Reduz Significativamente a Campylobacter em Galináceos

angstrom-advanced-released-new-designs-its-verde-cryogenic-nitrogen-oxygen-technology-39170-9926077

As tecnologias criogénicas têm também um papel na manutenção de altos padrões de qualidade e segurança alimentar. Em 2013, o Grupo Linde divulgou resultados positivos relativamente ao ensaio de uma nova tecnologia criogénica com vista ao combate à bactéria Campylobacter. A Food Standards Agency, agência governamental britânica equivalente à ASAE, tinha um plano com objetivos de redução da Campylobacter até 2015, e esperava-se que a “Rapid Surface Chilling” pudesse ajudar neste objetivo.

A bactéria Campylobacter encontra-se à superfície de quase todos os galináceos e é a causa mais frequente de intoxicação alimentar no Reino Unido, conhecida entre nós como campilobacteriose. Estima-se que existam anualmente cerca de 5.000.000 casos, implicando 80.000 consultas médicas; em 2012, terão morrido 85 pessoas devido a esta simples bactéria. Estima-se também que este problema represente, por si só, mais de metade dos custos totais para a economia britânica relacionados com problemas de saúde do foro alimentar.

A tecnologia “Rapid Surface Chilling” (Arrefecimento Rápido da Superfície) consiste na aplicação de um vapor criogénico sobre a superfície da galinha ou do frango. O vapangstrom-advanced-released-new-designs-its-verde-cryogenic-nitrogen-oxygen-technology-39170-9926077or é à base de nitrogénio líquido, um gás que se mantém líquido enquanto estiver a temperaturas criogénicas, isto é, extremamente baixas. A carne é vaporizada com nitrogénio a 196ºC negativos, eliminando a bactéria de imediato. O processo não tem qualquer influência na textura, na cor ou no sabor da carne; na verdade, a congelação criogénica é um método crescentemente utilizado pela indústria alimentar, principalmente em casos em que é necessária uma técnica mais eficaz, quando os alimentos se degradam rapidamente, como é o caso do marisco.

A “Rapid Surface Chilling” foi desenvolvida pela empresa Bernard Matthews em parceria com a própria Food Standards Agency. Pretendia-se reduzir a percentagem de galináceos infetados com Campylobacter de 27% para 10%. Anualmente, são consumidos 800 milhões de galináceos no Reino Unido.

Em maio de 2016, um relatório da Bernard Matthews reitera que esta técnica criogénica consegue reduzir a presença da Campylobacter até 90% dos casos, e insta a Food Standards Agency a implementar medidas para que este método de preservação dos alimentos seja adotado em larga escala.