A Criónica em Portugal

ALCOR

A criónica, também conhecida como criopreservação, consiste em preservar através do frio seres humanos que, mesmo com os avanços da medicina atual, não puderam ser mantidos vivos. Não é uma cerimónia mortuária nem qualquer tipo de funeral. Atua o mais rapidamente possível após a morte, para garantir a melhor preservação possível para o cérebro.

O objetivo deste procedimento seria, obviamente, esperar que a ciência evoluísse de tal forma que no futuro fosse possível trazer de volta à vida o ser humano, através deste método de preservação. Pode, deste modo, falar-se em “tecnologia especulativa”, pois todo o processo está baseado na crença, poderia mesmo dizer-se, na fé, em que um dia os avanções médicos e tecnológicos permitirão concretizar algo que atualmente se afigura impossível.

Portugal é um país tradicionalmente conservador, e o assunto da criónica gera tais polémicas que os seus defensores optam por se manterem apenas com a visibilidade necessária para quem os queira abordar.

Em Portugal, a ALCOR tem, pois, uma presença discreta. Esta empresa, que se apresenta como pioneira no campo da criónica, disponibiliza os seus serviços em Portugal para quem seja membro da Alcor Life Extension Foundation, sediada nos Estados
Unidos da América. A ALCOR Portugal, no entanto, mantém uma determinada distância no que toca ao vínculo com a ALCOR americana, não podendo fazer contratos em seu nome.

A “ALCOR Portugal” tem como alguns dos seus objetivos ser uma fonte de informação para quem esteja interessado na criónica, divulgá-la aos Portugueses e outros falantes do português, organizar e divulgar encontros entre os seus membros, facilitar todo o processo de criónica dos seus membros para proporcionar assistência e transporte para os Estados Unidos da América e estabelecer uma equipa sólida de intervenção, localizada em Portugal. A criónica dá os primeiros passos em Portugal, e a ALCOR Portugal é um dos seus empenhados representantes.