As Características de Válvulas Criogénicas de Qualidade

seriesC

Válvulas criogénicas são válvulas destinadas a operar com materiais criogénicos, nomeadamente gases. Estes equipamentos são especialmente utilizados na indústria de petróleo e gás, dada a necessidade de conservar o Gás Natural Liquefeito (GNL) a temperaturas ‘criogénicas’, isto é, muito baixas. A indústria considera como criogénicas as temperaturas que descem a partir dos 144ºC negativos. Contudo, alguns profissionais entendem que a partir dos 73ºC negativos já é necessária a utilização de válvulas especializadas e capazes de resistir à pressão dos materiais.

Variações de temperatura severas podem ser perigosas para o funcionamento da válvula. Com o calor proveniente do meio ambiente, os componentes das válvulas tendem a expandir-se, e depois a contrair-se em contacto com o gás a temperaturas muito baixas. A utilização de isolamento, tanto nas válvulas como nos tubos, é fundamental.

As válvulas devem também estar preparadas para suportar a pressão violenta exercida pelo gás. Tanto o GNL como o oxigénio, o hidrogénio, o nitrogénio e o hélio têm a capacidade de esforçar o equipamento e levá-lo ao limite da sua capacidade.

Geralmente, as válvulas criogénicas são do tipo válvula de cunha (ou de gaveta) e também do tipo válvula de esfera.

Fabricantes e modelos

São diversas as empresas fabricantes de válvulas criogénicas por todo o mundo. A Powell Valves apresenta válvulas em bronze e de aço inoxidável, de cunha e de esfera. O modelo MSS SP-80 é uma válvula criogénica de cunha, em bronze, é limpo e processado para operar com oxigénio e depois selado para evitar contaminação. A Herose dispõe de válvulas globo que podem trabalhar com gases criogénicos até 225ºC negativos. Já a Bestobell Valves apresenta uma vasta gama de tipos de válvulas criogénicas, entre as quais se encontra um modelo de válvula de emergência (“shut-off”) unidirecional, capaz de atuar automaticamente, e capaz de funcionar com pressões até 40 bar e 196ºC negativos.